Banner_Bioset
Banner Cursos
BANNER 5 ANOS 1 copiar
Tag

COVID-19

Browsing

FecomercioSP reforça que, para as linhas de crédito chegarem a mais empresários, o Tesouro Nacional precisa disponibilizar recursos próprios como garantia das operações de crédito para capital de giro

 

A FecomercioSP, ao acompanhar os desdobramentos que a pandemia de covid-19 tem provocado nos setores de comércio e serviços e ouvir associados e empresários em geral, tem percebido que com o aumento da aversão ao risco, o sistema financeiro vinha tornando o crédito mais seleto, com aumento de juros e redução do prazo, principalmente às PMEs.

Nesse sentido, tem enviado ofícios ao Poder Público com sugestões de medidas emergenciais para tentar minimizar os danos. Um dos pedidos era a criação de uma linha especial e simplificada de crédito para pequenas empresas por meio do BNDES, do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal, dirigida a capital de giro, com juros menores e carência de seis meses para início de pagamento, e 24 meses para quitação. Além disso, propôs a criação de um regime emergencial e transitório para agilizar a avaliação de crédito durante o período de crise, principalmente para os pequenos empresários.

Recentemente, a Caixa Econômica Federal e o Sebrae anunciaram uma parceria para oferecer R$ 7,5 bilhões em crédito às micros e pequenas empresas e aos Microempreendedores Individuais (MEI) como auxílio aos empresários. Ao encontro do pleito da Federação, esse recurso estará disponível a empreendedores com uma carência de 9 a 12 meses, e pagamento entre 24 e 36 meses. Os valores máximos para concessão são de até R$ 12,5 mil para MEI; até R$ 75 mil para microempresas; e até R$ 125 mil para empresas de pequeno porte. Os juros são de 1,59% a.m. mês para MEI; 1,39% a.m. para microempresas e 1,19% a.m. para pequenas empresas.

A Entidade lembra que é preciso que esses recursos cheguem com rapidez a quem precisa, principalmente para pagamento de funcionários e manutenção do negócio, visto que há o risco de 44 mil pequenas empresas encerrarem suas atividades em 2020 e 191 mil vagas de empregos serem fechadas, de acordo com estimativas da FecomercioSP. Além disso, novas linhas precisam ser abertas por meio do BNDES.

Outras ações do governo federal que respondem aos pleitos da Federação estão na Medida Provisória n.º 944, que oferece crédito às empresas de pequeno e médio portes, com faturamento acima de R$ 360 mil e abaixo de R$ 10 milhões, pelo período de dois meses, destinado exclusivamente ao pagamento de salários de seus empregados.

A MP n.º 944 estabelece taxa de juros de 3,75% ao ano, carência de seis meses para pagamento da primeira parcela e prazo de até 36 meses para quitação. No contrato de financiamento constará a obrigação de a empresa não realizar desligamentos de seus funcionários, sem justa causa, no período compreendido entre a data da contratação da linha de crédito e mais 60 dias após o recebimento da última parcela.

Já a mais recente, a MP n.º 958, flexibilizou algumas normas para contratação e renegociação de operações de crédito nas instituições financeiras públicas até o dia 30/9. Dessa forma, passam a ser dispensadas:  apresentações de certidão de quitação eleitoral, de certidão negativa de débitos de tributos federais e de certificado de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS); e consulta prévia ao Cadastro Informativo de créditos não quitados do setor público federal (Cadin).

Ainda para atender às PMEs, o Senado aprovou, no dia 24/4, um projeto que concede linha de crédito especial para empréstimos de valor correspondente a até 30% de sua receita bruta obtida no ano de 2019. O público-alvo é empresa com receita bruta de até R$ 4,8 milhões ao ano. A medida também atende à proposta da FecomercioSP, enviada quando o projeto estava para ser votado na Câmara dos Deputados, principalmente no que se refere ao crédito para capital de giro ou investimentos em condições diferenciadas para as microempresas e empresas de pequeno porte, durante a crise gerada pela pandemia de covid-19.

Atenção à gestão dos negócios, atendimento aos pacientes e à comunicação estão entre as dicas de gerenciamento de negócios da área de saúde

O Sebrae faz um alerta para que, na medida do possível, pequenos negócios do ramo de saúde, como clínicas de estética e dermatologia, estejam com o quadro financeiro em dia, sem se descuidar da saúde de funcionários e “clientes/pacientes”. O atendimento em tempos de pandemia tem gerado preocupação no setor econômico. Estudo feito pelo Sebrae mostra que o avanço do Coronavírus exige que se tenha cuidado especial com a gestão, o atendimento ao cliente dos estabelecimentos e com a comunicação. As orientações são destinadas não apenas a clínicas; mas, também, aos profissionais liberais que atuam na área, hoje uma das mais vulneráveis aos impactos da crise no país.

Na questão do atendimento aos pacientes, são necessárias algumas medidas, como na recepção do paciente, na sala de atendimento ou com a preparação da equipe. O ideal é que o atendente esteja protegido por máscara e luvas, pois neste primeiro contato não se sabe se o paciente está com problemas respiratórios ou outros sintomas. É necessário ainda garantir que pacientes e profissionais tenham acesso aos suprimentos para higiene das mãos nas entradas dos serviços de saúde, nas salas de espera e nas áreas de atendimento.

A comunicação visual, uso de placas, pôsteres e outros mecanismos, é uma estratégia de eficácia comprovada. A recomendação é colocar cartazes alertando pacientes com problemas respiratórios para que solicitem máscaras logo ao entrarem na recepção do estabelecimento. É indicado ainda que os profissionais higienizem as mãos antes e depois de todo contato com o paciente, com material potencialmente infeccioso e antes de colocar e remover os equipamentos de proteção individual, incluindo luvas. O profissional deve sempre usar máscara para atender os pacientes.

“Na questão da gestão, o estabelecimento deve se adaptar à realidade, procurando reduzir custos, como internet, telefone, energia elétrica, água, entre outros insumos. É importante que se passe ao cliente e paciente, que todos os cuidados estão sendo tomados. Isso transmite confiança”, observa o analista Geraldo da Costa, da Unidade de Competitividade do Sebrae.

As empresas também devem investir em capacitação remota para os colaboradores e parceiros e estabelecer horários de descanso, oferecendo serviços que facilitem a vida das pessoas, como alimentação, fornecimento de roupas de trabalho, salas de repouso e instalações com chuveiros e facilidades para a higienização corporal ao entrar e ao sair da clínica, por exemplo. Por fim, o Sebrae chama atenção para o uso racional dos insumos necessários ao atendimento, evitando o uso indevido, desperdícios e desabastecimento.

Com unidades das franquias fechadas, Buddha Spa, Oral Unic e Majô Beauty Club avaliam tomar empréstimos a juros baixos para enfrentar o período de crise

O governo vem anunciando uma série de medidas econômicas para ajudar pequenos e médios empresários a enfrentarem a crise causada pelo coronavírus. O pacote é extenso e inclui uma linha de crédito para as pequenas e médias empresas financiarem o pagamento dos salários de seus funcionários a juros mais baixos e a possibilidade de suspensão do contrato de trabalho por até 60 dias e de redução da jornada e salários em até 70%, com direito a estabilidade temporária do empregado e recebimento de benefício emergencial pago pelo governo. Além disso, empresas do Simples Nacional (sistema de tributação simplificada) podem postergar o pagamento dos impostos de abril, maio e junho para outubro, novembro e dezembro.

“É a primeira vez na história que a gente vê o governo tomando medidas que realmente ajudam o empreendedor”, comenta Gustavo Albanesi, CEO das franquias Buddha Spa. “Estamos adotando e recomendando que os franqueados também adotem.”

Com todas as unidades da franquia fechadas, o Buddha Spa está utilizando de todos os recursos oferecidos pelo pacote do governo para enfrentar a crise. Prorrogou o pagamento dos impostos do Simples Nacional e do FGTS sobre a folha de pagamento. Também concedeu férias para funcionários que ainda não tinham o período aquisitivo completo e postergou o pagamento do 1/3 das férias desses colaboradores, prática permitida no pacote de ações do governo para manter emprego e renda. Albanesi também decidiu suspender por 30 dias o contrato de trabalho de parte da equipe, que agora passará a receber o auxílio do governo, e, para outros funcionários, reduziu a jornada de trabalho. O empreendedor também está tomando o crédito liberado pelo governo para subsidiar o capital de giro. “Estamos utilizando todas as medidas possíveis neste momento”, diz.

A rede de clínicas odontológicas Oral Unic também vai utilizar o crédito disponibilizado a taxas menores para pagamento de funcionários e recomendou que seus franqueados façam o mesmo. “Assim podemos deixar o dinheiro que seria usado no pagamento da folha para arcar com as outras despesas”, afirma Nadim Farid Nicolau Neto, fundador da Oral Unic.

“É hora de tomar o crédito disponível a juros menores e, se for necessário, usaremos essa possibilidade”, diz Claudia Vobeto, fundadora da rede de franquias Majô Beauty Club. “Os pequenos franqueadores, sozinhos, não têm fôlego para suportar essa paralisação, porque nosso fluxo de caixa depende de royalties e, na maioria das redes, essa fonte de receita parou.”

O surto de COVID-19 exigiu que as clínicas de estética suspendessem temporariamente suas atividades em boa parte do país, como medida de contenção do novo vírus. E a dúvida de muitos empreendedores desse segmento é: como fazer a retomada de sua clínica após a pandemia? Como voltar a ter um fluxo de clientes satisfatório? Foi pensando nisso que separamos algumas dicas:

Não saia da mídia

O fato da sua clínica estar fechada não significa que ela deva estar fora dos olhos do público-alvo. Pense bem: as pessoas estão ficando em casa, passando mais tempo nas redes sociais, portanto, é o momento de estar presente nessas plataformas. Aproveite para produzir conteúdo relevante para o momento, como por exemplo, dicas para as pessoas cuidarem da beleza e da estética sem sair de casa. Assim, quando tudo se normalizar e os clientes em potencial estiverem em busca de uma clínica de estética, o seu estabelecimento estará bem fixo na mente deles.

Ofereça pacotes especiais pré-pagos

Se a sua clínica ainda não reabriu, elabore pacotes promocionais de serviços para quem comprar agora e efetuar o pagamento, para agendar quando as atividades forem retomadas. É uma forma de garantir que a clínica continue tendo alguma receita mesmo enquanto está fechada e, quando for reaberta, já vai haver algum fluxo de clientes.

Reforce os protocolos de higiene e segurança

Ao reabrir a sua clínica, é natural que nas primeiras semanas as pessoas continuem com certo receio de frequentar ambientes de uso comum. Portanto, é fundamental reforçar todos os protocolos de higiene e segurança e deixar claro para o seu público que os profissionais estão adotando essa postura.

Os espaços e superfícies devem ser higienizados com mais frequência do que o normal. É preciso disponibilizar álcool gel nos ambientes para os clientes e aumentar o intervalo entre um atendimento e outro para ter mais tempo de realizar uma limpeza minuciosa. Se for o caso, você também pode oferecer máscaras aos clientes assim que eles entram na clínica. Todas as medidas que ajudam a evitar a transmissão do vírus serão bem vistas.

Respeite as determinações da sua cidade

Além do Ministério da Saúde, cada cidade está orientando os estabelecimentos comerciais sobre como devem se comportar, quando estão autorizados a abrir as portas e sob quais condições. Fique atento a essas recomendações e siga-as à risca, para proteger a saúde dos seus clientes e para evitar quaisquer punições.

Acione clientes fiéis

Quando fizer a retomada de sua clínica, é o momento de contar com aqueles clientes fiéis, que já realizaram tratamentos em seu espaço, que já conhecem o trabalho e confiam nele. Essas pessoas serão primordiais para que o negócio volte a funcionar plenamente! Entre em contato com elas, ofereça preços e condições especiais para que elas realizem seus tratamentos na sua clínica. Essa estratégia também vai funcionar para retomar o famoso “marketing boca a boca”.

E é claro: aposte nas estratégias de marketing que serão mais importantes do que nunca para dar visibilidade ao seu negócio. Cadastre-se em nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos sobre marketing voltado ao segmento de estética.