Banner_Bioset
Banner Cursos
Tag

Saúde e Beleza

Browsing

Com o aquecimento do mercado estético, classes C e D passam a procurar tratamentos injetáveis

O segmento de estética é um dos que mais cresce no país, sendo considerado o segundo do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. É o que aponta a pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) realizada no ano passado. Apenas no segundo trimestre de 2020, mesmo com a crise causada pela pandemia, o setor teve um faturamento de R$ 7 bilhões.

E dentro desses números, as classes C e D são as que se destacam no crescimento da procura por procedimentos injetáveis, segundo Paula Caroline Garcia, biomédica e CEO da Clinic Cursos. Antes esses tratamentos só eram possíveis para classes mais elevadas e, agora, estão mais acessíveis.

“Cerca de 60% das pessoas que procuram a Clinic Cursos em busca dos procedimentos injetáveis são das classes C e D. Muitas delas chegam até a escola pelos valores mais acessíveis que os encontrados em clínicas do ramo” explica a CEO.

Entre os tratamentos procurados pelo público, estão em alta os bioestimuladores de colágeno, fios de PDO, a harmonização facial e o famoso Botox. De acordo com a CEO, o feedback desses consumidores é diferente dos demais. “Elas parecem ter mais orgulho dos procedimentos realizados, postando fotos do antes e depois, diferente de outros grupos, das classes A e B, por exemplo, que não costumam assumir publicamente nas redes e com tanta frequência que fizeram procedimentos estéticos”, revela.

Paula Caroline Garcia CEO da Clinic Cursos

Ainda de acordo com Paula Caroline Garcia, com a retomada da economia as pessoas que haviam pausado seus tratamentos voltaram a buscar os procedimentos. Os consumidores com menos poder aquisitivo foram em busca dos serviços mais viáveis e dentro do seu orçamento, como os oferecidos pela Clinic Cursos.

“Ficamos satisfeitos e felizes, quando em nossas divulgações somos procurados por pessoas que antes não tinham condições de realizar procedimentos estéticos e agora podem. É gratificante ver a felicidade dessas pessoas após o resultado”, comemora a CEO da Clinic Cursos.

 

INJETÁVEIS ESTÃO CADA VEZ MAIS PRESENTES NO DIA A DIA

De alguns anos para cá, muitas clínicas estão se adaptando a essa nova realidade de injetáveis e fornecendo atendimento para todas as classes, como é o caso da Odontologia Personare, local em que a dentista Francisca Silva atende.

Dra. Francisca Silva Cirurgiã Dentista Especialista HOF

“Nós atendemos todos os públicos sem distinção nenhuma. Para ter uma noção, cerca de 40% das clientes que passam pela clínica, são pessoas das classes C e D. Acredito que nossa facilidade de pagamento atrai bastante essas pessoas”, afirma a dentista especializada em estética.

Hoje, os procedimentos oferecidos pela odontologia Personare, na parte de Harmonização Facial são: toxina botulínica, preenchimentos, Skinbooster, Peeling, Bichectomia, Lipo de papada 3D e enzimática, Bio Filer (PRRF), Hidragloss e BBwhite, que saem em torno de R$ 600 à R$ 2.500 reais.

“Nossos valores estão dentro da média de preço, de clínicas que atendem todos os públicos. Como eu disse, acho que nossa facilidade de pagamento atrai bastante o cliente. O nosso diferencial no atendimento também faz muita diferença na hora do paciente nos escolher”, explica Francisca Silva.

 

CONSUMO DE TODAS AS CLASSES PERMITE ELEVAMENTO DA AUTOESTIMA

Geralmente, por serem procedimentos estéticos de alto padrão e possuírem um preço mais acessível, pode haver aquele medo da segurança do procedimento, mas a dentista explica que isso não tem nada a ver, “desde que seja feito por um profissional devidamente habilitado, não existem riscos para o procedimento.”

Questionada sobre a importância da igualdade estética para classes C e D, a Francisca Silva diz estar contente com essa nova etapa dos injetáveis, “acho excelente todos terem acesso aos tratamentos. Hoje, os produtos estão com os valores mais acessível e com maior qualidade, devido a grande concorrência das marcas, com isso todas as classes podem se cuidar, elevando assim a autoestima”, finaliza.

 

BRASIL SÓ PERDE PARA ESTADOS UNIDOS EM PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS

Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é o segundo país na liderança de procedimentos estéticos, ficando atrás somente dos Estados Unidos. Já o procedimento injetável mais procurado no mundo é a toxina botulínica (Botox).

O crescimento do setor pode ser avaliado pelos números de profissionais da área que, nos últimos sete anos, saltou de 72 mil para cerca de 500 mil. Com a expansão do segmento, o leque de consumidores também ampliou atingindo outras classes sociais.

Na contramão da crise e na fase de porta-fechadas, a Espaçolaser faturou 50% a mais no comparativo com o ano pré-pandemia, mesmo sem poder iniciar o tratamento naquele momento. A rede aprimorou as vendas de pacotes pelo e-commerce e pelo App e o setor chegou a ser responsável por 65,4% das vendas da companhia (atualmente  o digital ainda é majoritário, representando 60% das transações). O balanço positivo é trazido por Paulo Morais, CEO e fundador da Espaçolaser, nosso quarto convidado da série de entrevistas de fim de ano do portal Estética & Mercado.

Os resultados da rede seguem a tendência do segmento de beleza, saúde e serviços, um dos primeiros a se recuperar após o período pandêmico mais intenso. Mesmo diante da retração mundial, o setor faturou R$ 10,7 bilhões, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) – o segmento registrou desempenho positivo, de 5,4% no 4º trimestre e de 3,1% no acumulado do ano.

Paulo Morais, CEO e fundador da Espaçolaser, prevê ritmo de crescimento orgânico nos próximos anos e deve chegar a 62 novas cidades apenas em 2022.

Segundo o CEO da Espaçolaser, a pandemia permitiu e estimulou o aumento da expertise em vendas digitais. Somado ao contínuo engajamento de times e ao isolamento social, essa nova realidade virtual permitiu uma maior aproximação dos clientes e o crescimento das compras pela internet.

No segundo trimestre de 2020, o e-commerce da rede representava apenas 31,4% do faturamento, enquanto no mesmo período deste ano, esse número mais que dobrou, chegando a  65,4% e ultrapassando as vendas tradicionais.

Em 2021, a companhia também expandiu os negócios para o mercado chileno e abriu 100 unidades, chegando a 700 clínicas. Em projeção para 2022, a rede já mapeou 62 novas cidades para ampliar a presença da marca, que tem como sócia-embaixadora a apresentadora Xuxa Meneghel. Outra estratégia programada para o próximo ano é focar no adensamento da rede em locais em que já está presente e ampliar a capilaridade da marca.

O grupo conta também com o potencial da Estudioface, franquia focada em serviços de cuidados com a pele, estética facial e injetáveis não-invasivos, uma das apostas da rede em tratamentos.

Para completar a fase de sucesso, a Espaçolaser recebeu este ano o prêmio de Reclame Aqui 2021 na categoria “Beleza, Estética e Cosméticos” devido a excelência no atendimento ao consumidor. Em entrevista para o portal E&M, o CEO e fundador da rede, Paulo Morais, por meio de assessoria, explica como a rede chegou a esses resultados, as propostas que traz para 2022 e o potencial do cenário da depilação a laser e dos cuidados com a pele. Está imperdível!

A rede, que chegou a 700 franquias em 2021, aprimorou as vendas pelo e-commerce e pelo App e vendas cresceram 50%

E&M – Com a melhoria do cenário pandêmico e o crescimento no setor, qual a expectativa da Espaçolaser para a saúde estética em 2022?

De uma forma geral, o setor de beleza e serviços é o primeiro a se estabilizar após uma potencial crise, uma vez que os consumidores passam a investir mais em si mesmos e na autoestima em vez de fazer algum tipo de aquisição material, ou até mesmo viajar. Nesse sentido, em 2022 a companhia continuará atenta às oportunidades do mercado, assim como manterá o ritmo de crescimento orgânico nos próximos anos. Para 2022, já mapeou 62 novas cidades para ampliar sua presença. 

Outro ponto importante é o potencial de mercado: segundo levantamento realizado*, em 2019, aproximadamente 78% da população feminina brasileira entre 12 e 65 anos e 9% da população masculina** na mesma faixa etária utiliza algum método de depilação, totalizando 69 milhões de usuários. Nesse contexto, as pessoas que se depilam com regularidade, apenas 5% fazem com laser. Apesar disso, é um mercado que está crescendo rapidamente – o que destaca o método com o mais alto potencial de adoção por novos consumidores dentre as diferentes tecnologias disponíveis no mercado. Nos EUA e Espanha, essas taxas chegam a 20% e 50% de penetração, respectivamente.

E&M – A pandemia mudou o perfil da procura dos tratamentos? Quais têm sido os procedimentos mais procurados pelo público?

A pandemia impulsionou o setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, que também apresentou crescimento no período, muito devido à crise sanitária por conta da pandemia. O segmento de cuidados com a pele também apresentou aumento significativo quando comparado com o mesmo período de 2019, sendo que nesse segmento, todos os produtos cresceram acima de dois dígitos de janeiro a dezembro de 2020.

Percebemos esse aumento de ambas as marcas da rede por meio do aumento de unidades da Estudioface, focada em serviços de cuidados com a pele e estética facial, e Espaçolaser, que cresceu também proporcionalmente, junto com as novas unidades.

E&M – Também ocorreu uma mudança de perfil dos franqueados? Quais estratégias adotaram para driblar o período mais crítico da pandemia

De acordo com o Sebrae, 80% das micro e pequenas empresas fecham as portas nos cincos primeiros anos, em negócios franqueados, esse percentual é de 15%. Segundo a ABF, a taxa de mortalidade das franquias era de 3,9%, em 2019. Percebemos que o modelo é atrativo, pois continuamos com alta procura por franquias, visto que o modelo de negócio conta com diversas vantagens, como um modelo de negócio mais seguro e eficiente, se comparado com as empresas criadas do zero. A segurança é proporcionada pela experiência das redes de franquias em atuação no mercado, atendimento dos clientes, vendas, desenvolvimento de produtos e serviços. Além do know how de mercado e treinamentos aos franqueados.

No período de pandemia, em que algumas unidades do setor ficaram fechadas, muitos se reinventaram, buscando uma maior digitalização e aproximação com os clientes. A própria digitalização das vendas, com o aplicativo, redes sociais e pelo comércio eletrônico, fez com que continuassem a vender, mesmo que de portas fechadas. Outras desenvolveram pacotes pré-pagos ou parcelados e os agendamentos online, aliados na captação e fidelização de clientes.

E&M – Recentemente a Espaçolaser anunciou a inauguração da unidade 700, como está o plano de expansão para 2022? Novas unidades serão abertas fora do país?

Sim, 2021 foi um ano de muitas conquistas. Além do IPO, início de atuação no mercado Chileno, tivemos dois marcos importantes: a loja 600ª e 700ª – essa última, localizada no Bourbon Shopping Teresópolis, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, fica na região de nascimento da sua sócia-embaixadora da companhia, Xuxa Meneghel. A nova loja é também a 13ª Espaçolaser a operar no conjunto de shopping centers e galerias comerciais do Grupo Zaffari, que é administrado pela AIRAZ Administradora.

Como citamos, em 2022 a companhia continuará atenta às oportunidades do mercado como um todo, assim como manterá o ritmo de crescimento orgânico nos próximos anos. A estratégia da companhia tem sido focar no adensamento em locais em que já está presente, assim como ampliar a capilaridade da marca, trazendo ganhos significativos de gestão e eficiência da empresa.

E&M – Na pandemia a marca conseguiu ter um crescimento no faturamento?

A Espaçolaser orgulha-se em ser um business de sucesso dentro do varejo de serviços de beleza. Os fatores que colaboram para isso são: fisioterapeutas com mais de 100 horas de treinamento na Universidade do Laser; alto NPS, o que acarreta cerca de 80% da base de clientes a conhecer a empresa por indicação; a capilaridade da rede e a rapidez do tratamento (média de 5 a 10 minutos por área), que proporcionam conforto e comodidade para o cliente.

Em decorrência das medidas restritivas associadas à disseminação da pandemia de COVID-19, a Espaçolaser encerrou temporariamente as operações em loja. Durante esse período, a empresa focou em sua força de vendas, além do e-commerce e dos pacotes promocionais. A companhia vendeu 50% mais se comparado ao período pré-pandemia, mesmo sem poder iniciar o tratamento naquele momento.

E&M – A empresa já possuía vendas pelo e-commerce antes da pandemia? O que mudou após a crise mundial?

A pandemia em 2020 trouxe muitos aprendizados para a Espaçolaser, incluindo impulsionar a transformação digital da Companhia, com destaque para o aumento da expertise em vendas digitais, o contínuo engajamento de seus times, e uma maior aproximação dos seus clientes. Dentre os aprendizados que trazem resultados para a operação estão: o time está mais preparado à nova realidade, a companhia desenvolveu novas funcionalidades para o e-commerce e seu aplicativo proprietário, assim como trouxe ganhos significativos de gestão e eficiência, que garantiram melhor rentabilidade no segundo trimestre de 2021. Neste sentido, no período, as vendas digitais representaram 65,4% das vendas totais, frente a 31,4% no segundo trimestre de 2020. Atualmente representa 60%.

O segmento de serviços de Beleza e Bem-Estar já apresenta crescimento. Beneficiado pela decisão de parte dos consumidores em aproveitar a quarentena para realizar procedimentos permanentes, acrescido do aumento do desejo de bem-estar. Mesmo em um contexto delicado, percebe-se um redirecionamento de recursos que seriam utilizados para outros fins, como viagens e outras atividades sociais restritas nesse período também influenciaram para o segmento. 

E&M – Para 2022 quais são as principais apostas da marca?
Como companhia estamos atentos às oportunidades no mercado no segmento de autocuidado. Por ter uma missão de marca muito clara – democratizar o bem-estar por meio da melhor tecnologia de ponta e promover acessibilidade ao serviço – encontrar oportunidades que vão ao encontro desse propósito é uma consequência. De toda forma, nossa aposta continua sendo na expansão nacional e internacional, eficiência na gestão operacional, investimento em tecnologia e omnicanalidade [comunicação de marketing uniforme e linear dentro dos canais físicos e digitais de uma marca], além, claro, da qualidade na prestação de serviços. 

E&M – A marca recebeu o Prêmio Reclame Aqui 2021 na categoria Beleza, Estética e Cosméticos devido a excelência no atendimento ao consumidor. Como a empresa conseguiu atingir esse padrão de atendimento? Qual o principal diferencial da rede no tratamento com o público?

Sim. É uma honra receber o Prêmio Reclame Aqui 2021, a maior premiação de atendimento ao cliente do país. Essa conquista é fruto do trabalho intenso da equipe, envolvendo os times de toda a rede, para elevar a prestação de serviços da companhia, assim como tornar depilação a laser em nossas unidades uma experiência cada vez mais segura, confortável e eficiente. Investimos em tecnologia de ponta, treinamento – são mais de 100 horas de formação –, profissionais com qualificação técnica, visto que os procedimentos são realizados exclusivamente por profissionais da saúde, iniciativas o melhor atendimento melhor que visam proporcionar a melhor experiencia de marca aos nossos clientes. Ficamos contentes com a premiação, pois a eleição por votação direta dos consumidores é, para nós, um sinal de que estamos no caminho certo.

E&M – Hoje o mercado de injetáveis é um dos mais valiosos, como vocês avaliam a entrada desses multiprofissionais no setor? 

Já investimos neste mercado com a Estudioface e acreditamos muito nele. Em nosso business, as atividades concentram-se em prevenção, rejuvenescimento e estética facial, oferecendo tratamentos a valores acessíveis e que previnem o envelhecimento cutâneo.

*Fonte: Informações da Pesquisa Primária, realizada com uma amostra de 5946 respondentes, com auxílio de consultora internacional especializada e dados do IBGE. / **Para homens, não considera aqueles cujo único procedimento utilizado é barbear-se com lâmina ou aparar o cabelo.

Apesar da pandemia, 2021 foi um ano bom para o setor de saúde, beleza e bem-estar, que absorveu boa parte da verba destinada a turismo e lazer durante o isolamento.O desenvolvimento do atendimento via WhatsApp e até serviço de delivery permitiram que as franquias continuassem competitivas no mercado. A alta procura por cuidados pessoais e a rápida resposta digital manteve assim o segmento em alta, segundo Silvana Buzzi, diretora executiva da Associação Brasileira de Franchising (ABF), nossa terceira convidada da série de entrevistas de fim de ano do portal Estética & Mercado.

Dados da ABF mostram que mesmo com a crise causada pelo Covid-19 em 2020, o setor apresentou um crescimento de 0,4% no faturamento e 3,1% no número de unidades. O setor cresceu 9,1% apenas neste terceiro trimestre de 2021. De acordo com Silvana, o aumento se dá pelo desenvolvimento dos canais de venda, substituição de recursos que eram usados em outras áreas, como viagens, além da tendência do cuidado pessoal.

Silvana Buzzi, diretora executiva da ABF: “Para 2022, a expectativa do setor é continuar crescendo, principalmente pela retomada do convívio social, a abertura integral do comércio e o avanço da vacinação e seus reflexos.”

Um diferencial para que o setor se mantivesse aquecido e ampliasse o faturamento está relacionado ao aperfeiçoamento dos canais digitais de venda. As franquias passaram a se comunicar melhor por meio das redes sociais e WhatsApp, além de inovar com o uso de serviço de delivery, que antes não era comum no segmento.

A ABF atua há mais de 30 anos no mercado e possui cerca de 1,2 mil associados no país. Em entrevista para o portal E&M, a diretora executiva da associação, por meio de assessoria, trouxe dados do setor durante o período mais crítico da pandemia e as projeções do cenário em 2022. Confira os principais destaques do mercado de acordo com a nossa entrevistada da semana, Silvana Buzzi.

E&M – Durante a pandemia, como a ABF avalia o crescimento no setor de franquia de estética e saúde? Ocorreu um aumento no número de franqueados nesses segmentos ou diminuiu? A que vocês atribuem isso?

De forma geral, o segmento de Saúde, Beleza e Bem-estar foi um dos mais resilientes do setor de franquias. Mesmo em 2020, essas franquias apresentaram um crescimento de 0,4% no faturamento e de 3,1% em número de unidades. Em nosso último balanço, referente ao 3º trimestre de 2021, essas redes registraram um crescimento de 9,1% no faturamento. Esse desempenho se deve a vários fatores, mas gostaríamos de destacar o desenvolvimento de canais digitais de vendas, o consumo de substituição (o redirecionamento de recursos de outras áreas como viagens) e a manutenção da tendência do cuidado pessoal. Algumas redes de estética notaram também que muitos consumidores aproveitaram o momento de menor convivência social para realizar procedimentos mais invasivos.

E&M – A pandemia mudou o perfil dos franqueados do segmento de estética e saúde?

É um pouco cedo para fazer uma avaliação mais precisa, mas, como já ocorreu em outros momentos de economia em ritmo mais lento, cresceu o empreendedorismo por necessidade, ou seja, profissionais empreendendo como alternativa de emprego e renda. Na área de Saúde Beleza e Bem-estar é comum também a figura do multifranqueado, ou seja, aquele franqueado que administra mais de uma unidade. Muitos assumiram pontos em dificuldade durante a pandemia, contribuindo assim para a manutenção de negócios e postos de trabalho. 

E&M – Com base nos dados mais recentes, o setor já está recuperado e voltou a ser competitivo e ter mais visibilidade no mercado exterior?

Assim como o setor de franchising como um todo, as franquias de Saúde Beleza e Bem-estar vem desenhando uma curva robusta de recuperação, com a vantagem de partir de uma base menos deprimida, pois conseguiu preservar seu resultado em 2020 mesmo em um cenário tão adverso. E, de fato, houve um ganho de competitividade em dois aspectos principais: desenvolvimentos importantes em termos de eficiência e digitalização de processos e o desenvolvimento de canais digitais de vendas. Por exemplo, o segmento passou a se comunicar melhor com seu público via redes sociais e WhatsApp, realizando inclusive vendas e montando, em alguns casos, operações de delivery que ainda não eram tão comuns neste segmento. Quanto a internacionalização, de fato, houve uma diminuição no ritmo, mas gostaríamos de ressaltar que ela permanece e tende a ganhar mais corpo com a retomada da economia e com o câmbio depreciado.

 E&M – Com o aumento da inflação, os consumidores estão com o poder de compra reduzido. Diante deste cenário, quais as estratégias mais usadas pelos franqueados para driblar essa situação em 2022?

De fato, este é um desafio, mas as franquias têm investido em ganhos de eficiência para tentar compensar, pelo menos em parte, estes impactos. O desenvolvimento de produtos e serviços mais acessíveis também é outro caminho, bem como a ampliação dos canais de venda de forma a atingir públicos mais amplos.

E&M – Durante a pandemia as empresas conseguiram manter ou ter um crescimento no faturamento?

Sim. Historicamente, este segmento tem um desempenho acima da média do setor, em grande parte pela fortaleza de suas marcas (muitas estão entre as 50 maiores do setor no Brasil), pela cultura brasileira e, principalmente, pela tendência do cuidado pessoal e bem-estar que é bem consolidada no Brasil e tende a perdurar nos próximos anos.

E&M – Qual a projeção para o setor de estética e saúde em 2022 no ramo das franquias? Quais devem ser os destaques? E quais os desafios?

Para 2022, a expectativa do setor é continuar crescendo, principalmente pela retomada do convívio social, a abertura integral do comércio e o avanço da vacinação e seus reflexos. Isso se aplica ao segmento de Saúde, Beleza e Bem-estar, sendo que é sempre bom lembrar que, historicamente, costuma superar a média do setor. Quanto aos desafios, gostaríamos de destacar a inflação – que exigirá ainda mais medidas de eficiência e controle – a reconquista do consumidor, ainda bastante afetado pela pandemia, e a manutenção de um equilíbrio entre os novos canais digitais desenvolvidos e o atendimento presencial.

 E&M – Como o trabalho desenvolvido pela associação contribui para o desenvolvimento do setor de saúde e dermocosméticos? Esse papel se alterou ou teve que se adaptar ao longo dos anos?

O propósito da ABF é fomentar o franchising brasileiro, nacional e internacionalmente, para que ele se mantenha próspero, sustentável, inovador, inclusivo e ético. Fazemos isso por meio da capacitação de pessoas em diversos cursos presenciais e on-line, do estímulo à inovação, da disseminação das melhores práticas por meio de eventos e congressos, da representação junto às diversas instâncias públicas e divulgação dos resultados do setor, dentre outros. Destaque também para as feiras de franquia, cuja edição de São Paulo, por exemplo, atrai mais de 60 mil pessoas, e a realização de missões internacionais nas quais temos contato direto com mercados mais maduros, como os EUA e a Europa, ou em ascensão, como a China. 

Promovemos ainda o Selo de Excelência em Franchising (SEF), principal chancela do setor concedida por meio de pesquisa exclusiva com os franqueados da rede. Essas atividades se aplicam a área de saúde e dermocosméticos, sendo que a entidade dispõe ainda de uma comissão de Saúde, Beleza e Bem-estar formada por redes desta área para discutir os desafios e tendências, além de trocar experiências.